Também conhecido como Sermão do Monte, ou Sermão da Planície, o Sermão da Montanha foi feito por Jesus durante seu ministério itinerante de pregação, ensino e cura.

Antes do sermão começar, vemos no capítulo 4 o início do ministério de Jesus, quando anuncia a vinda do Reino de Deus (Mateus 4:17, 23). Para consolidar as leis desse Reino, Jesus transmite este sermão, com o objetivo de tornar claro a conduta esperada dos seu súditos (seus seguidores, os cristãos).

Onde está localizado o sermão da montanha?

O Sermão está localizado, em sua totalidade, no evangelho de Mateus, no capítulo 5:1 até 7:29. Além dessa localização, trechos também são encontrados em Lucas 6.

Para quem foi feito o sermão?

Toda multidão ouviu o sermão de Jesus.

Em Mateus 5:1 Jesus vê as multidões, sobe ao monte, se senta e seus discípulos se aproximam. Em um primeiro momento, parece que Jesus está ensinando só os discípulos, mas ao fim do sermão é dito que as multidões estavam maravilhadas com o ensino de Jesus (7:28-29).

Então podemos entender que toda multidão ouviu o sermão.

Qual a estrutura do sermão?

Introdução

As Bem-Aventuranças (5:3-12): bem-aventurado significa "é feliz aquele". Essa é uma estrutura comum na poesia e sabedoria hebraica para indicar onde está a felicidade ou quem é feliz e porque. Jesus surpreende seus ouvintes no seu ensino sobre a felicidade, porque todos os que são bem-aventurados são pessoas que estão sofrendo de alguma forma.

O sal da terra e a luz do mundo (5:13-16): a missão básica dos seguidores de Jesus no mundo, conservar e guiar.

Vocês são o sal da terra. Mas, se o sal perder o seu sabor, como restaurá-lo? Não servirá para nada, exceto para ser jogado fora e pisado pelos homens.
Vocês são a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade construída sobre um monte.
Mateus 5:13-14

Jesus Cumpre a Lei (5:17-20): ele explica sua própria missão, que não é de revogar ou negar a Lei de Moisés, mas é de por ela em prática.

Não pensem que vim abolir a Lei ou os Profetas; não vim abolir, mas cumprir.
Mateus 5:17

O que não fazer

Homicídio (5:21-26): Jesus sobe o nível da Lei. Antes o homicídio era o assassinato na prática, mas agora só o ódio já é considerado um homicídio, e quem ofende o próximo está correndo risco de ser incriminado.

Vocês ouviram o que foi dito aos seus antepassados: 'Não matarás', e 'quem matar estará sujeito a julgamento'.
Mas eu digo a vocês que qualquer que se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento.
Mateus 5:21-22

Adultério (5:27-30): mais uma vez Jesus sobe o nível. Antes apenas o adultério na prática era pecado, agora só de pensar em possuir outra pessoa já é adultério.

Mas eu digo: Qualquer que olhar para uma mulher e desejá-la, já cometeu adultério com ela no seu coração.
Mateus 5:28

Divórcio (5:31-32): a vontade de Deus nunca foi que maridos e mulheres se separassem, mas abriu uma única exceção, o adultério. Todo divórcio que não se deu por esse motivo, é como se não existisse aos olhos de Deus e o casal continuasse casado.

Juramentos (5:33-37): Jesus se opõe a má prática de juramento, que estava sendo abusada pelos judeus. Ao invés de jurarem, Jesus instrui que ninguém jure como forma de validar suas palavras, mas que cada um sempre cumpra o que disse.

Vingança (5:38-42): Jesus ensina que vingança não é sinônimo de justiça, e que na lógica do Reino de Deus devemos retrubuir positivamente aquilo que recebemos negativamente.

Mas eu digo: Não resistam ao perverso. Se alguém o ferir na face direita, ofereça-lhe também a outra.
Mateus 5:39

Odiar os inimigos (5:43-48): subvertendo a ordem de que as pessoas deveriam odiar os seus inimigos, Jesus instrui que amá-los é o jeito certo de tratar os inimigos. Ele diz, inclusive, para que as pessoas orem a Deus em favor daqueles que os perseguem.

Mas eu digo: Amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem
Mateus 5:44

O que fazer

Tenham o cuidado de não praticar suas 'obras de justiça' diante dos outros para serem vistos por eles. Se fizerem isso, vocês não terão nenhuma recompensa do Pai celestial.
Mateus 6:1

Ajuda aos necessitados (6:1-4): a prática de esmolas ou auxílio àqueles que mais precisam é uma ordem clara de Cristo. Ele adverte, ainda, para que ninguém anuncie isso esperando aprovação das outras pessoas.

Oração (6:5-15): a oração é a ação mais básica esperada de um cristão, e Jesus ensina seus discípulos a orarem com a conhecida Oração do Pai Nosso. Sua advertência anterior também está presente: não anuncie que está orando, mas faça isso em secreto, porque o Pai que vê em secreto assim recompensará.

Para entender mais sobre veja Pai Nosso Explicado.

Jejum (6:16-18): a terceira prática esperada dos cristãos é o jejum, e a sua advertência continua presente: não mostrar aos outros que está jejuando.

Para saber mais sobre Jejum, veja: Jejum na Bíblia.

Cuidados gerais

Os tesouros no céu (6:19-24): quem se preocupa demais com os bens materiais, se preocupa com aquilo que irá naturalmente se degradar ou se perder. Quem se preocupa com as coisas do céu, se preocupa com o que é eterno. Jesus ensina que ao invés de nos preocuparmos em acumular tesouros nessa vida, devemos nos empenhar em acumular tesouros na vida eterna.

As preocupações da vida (6:25-34): Jesus instrui que as pessoas devem se preocupar com as coisas eternas, em vez de coisas passageiras. O Reino de Deus e a sua justiça deve ser a maior preocupação do cristão, não roupa, comida ou emprego.

Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas serão acrescentadas a vocês.
Mateus 6:33

Julgamento ao próximo (7:1-6): esse é um trecho muito mal interpretado, pois Jesus não está proibindo as pessoas de julgarem, mas as instrui para julgarem de maneira correta. Antes de dizer que alguém está errado ou fazendo algo errado, deve-se investigar a si mesmo para ver se não está tropeçando na mesma coisa, pois seria hipocrisia.

Hipócrita, tire primeiro a viga do seu olho, e então você verá claramente para tirar o cisco do olho do seu irmão.
Mateus 7:5

Persistência na oração (7:7-12): nesse trecho Jesus ressalta a confiança que as pessoas devem ter em Deus, e que Ele suprirá nossas necessidades. Por isso, devemos continuar orando e pedindo a Deus.

A prática da verdade

Porta estreita e porta larga (7:13-14): uma das falas mais duras que Jesus já disse. Aqui ele explica que entrar no Reino dos Céus não é algo fácil e a vida de quem segue a Deus também não será, envolverá perdas e restrições. Por outro lado, o caminho do mundo e da libertinagem é muito mais fácil, mas certamente não levará ninguém à Deus.

Entrem pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que leva à perdição, e são muitos os que entram por ela.
Mateus 7:13

A Árvore e seu Fruto (7:15-23): Esse trecho serve para saber quem é de Deus e quem não é: pelas suas obras. Quem possui bons frutos, deve ser uma pessoa boa. Mas quem tem maus frutos, deve ser uma pessoa má. Ainda assim, deve-se ter em vista que Jesus está se referindo, em especial, aos falsos mestres (7:15), ou seja, sua maior preocupação é com a qualidade do ensino que as pessoas estão consumindo.

O Prudente e o Insensato (7:24-29): Nesse trecho Jesus mostra a importância do seu ensino. Quem o ouve e pratica é sábio e salva sua vida. Quem o ouve mas não pratica é tolo e encontrará somente perdição.

Portanto, quem ouve estas minhas palavras e as pratica é como um homem prudente que construiu a sua casa sobre a rocha.
Mateus 7:24

Quer conhecer mais sobre a casa construída sobre a rocha? Veja também: A casa construída sobre a rocha - estudo bíblico.