Roboão foi o filho de Salomão e neto de Davi, que se tornou o quarto rei de Israel. Tal como o seu pai, Roboão teve muitas mulheres e dezenas de filhos. Roboão foi o primeiro rei de Judá - Reino do Sul, sendo considerado um rei mau e negligente por suas más decisões e, por não buscar a Deus. A história de Roboão está registrada no 1º livro de Reis 11:43, 12, 14 e em 2º Crônicas 11.

Cercado por conforto e luxo, Roboão cresceu num magnífico palácio de Jerusalém. Ele era o filho do lendário rei Salomão e neto do corajoso Davi, que foi o rei mais famoso de Israel. Roboão tinha tudo o que desejava: roupas finas, banquetes deliciosos e muitos servos à sua disposição. A sua mãe se chamava Naamá, e era uma princesa estrangeira, da terra de Amon.

Quando Roboão tinha apenas um ano, seu avô Davi faleceu e seu pai começou a reinar em Israel. Salomão reinou durante 40 anos. Portanto, depois da morte de Salomão, quando Roboão assumiu o trono, ele tinha aproximadamente 41 anos.

Tal como seu pai, Roboão decidiu se juntar a várias mulheres. Ele teve 18 esposas e 60 concubinas, e com essas gerou 28 filhos e 60 filhas. As duas esposas mais importantes eram Maalate, filha de Jerimote e a Maaca filha de Absalão, ambas netas de Davi.

Roboão assumiu o trono como o novo monarca de Israel, herdando um reino estável e rico, graças à sábia administração de seus antecessores. Com palácios grandiosos, um exército poderoso e conselheiros de destaque, ele desfrutava dos benefícios de uma herança invejável. Contudo, mesmo cercado de tanta prosperidade, faltava-lhe sabedoria de Deus para tomar decisões prudentes.

Representação do rei Roboão olhar duro e fixo. Imagem gerada com IA.
Representação do rei Roboão

Assim que chegou ao poder, o povo pediu que Roboão abrandasse a carga tributária que seu pai exigia, pois era bastante pesada para eles. Roboão consultou os sábios anciãos e eles lhes aconselharam a agir com moderação e atender o pedido justo do povo. Mas Roboão seguiu o conselho dos jovens conselheiros, optando por contrariá-los. Ele decidiu ser duro e intransigente, o que acarretou consequências graves.

A decisão imatura de Roboão levou à divisão do reino de Israel. O povo, sentindo-se injustiçado por seu jovem rei, e revoltou-se. As tribos do norte se separaram e formaram seu próprio reino, deixando Roboão com apenas uma parte do grande país que seu avô e pai haviam governado.

Após 17 anos de um reinado complicado, Roboão morreu aos 58 anos e seu filho, Abias, o sucedeu no trono. Apesar de algumas realizações importantes, Roboão é geralmente visto como um rei fraco e imprudente, que procedeu mal, e não se dispôs a buscar a Deus como seu avô Davi.

A família de Roboão (esposas e filhos)

Roboão foi neto do rei Davi, e era filho do sábio rei Salomão e uma amonita chamada Naamá. Roboão se casou com 18 mulheres, sendo que duas delas, Maalate e Maaca tinham certo grau de parentesco com ele, pois também eram netas de Davi. De todas essas esposas, a que Roboão mais amava era Maaca, filha de Absalão. Além dessas mulheres, Roboão teve 60 concubinas (mulheres não oficiais) e com elas teve muitos filhos.

Ao todo, Roboão teve 28 filhos e 60 filhas. Com Maalate ele teve os filhos Jeús, Semarias e Zaão. E com Maaca ele teve: Abias, Atai, Ziza e Selomite. Roboão desejava que Abias, seu primeiro filho com sua amada, fosse o seu sucessor no reino. Por isso, designou Abias, como príncipe sobre seus irmãos. Sabiamente, Roboão distribuiu todos os outros filhos entre as cidades fortificadas e assim estabeleceu paz entre os irmãos.

O reinado de Roboão

O seu reinado começou com um grande desafio. Os líderes do povo se aproximaram dele com um pedido humilde: "Por favor, reduza os impostos que seu pai nos impôs. Eles são pesados demais para nós suportarmos." Os anciãos, homens sábios e idosos que conheciam bem as tradições israelitas, aconselharam Roboão a ser gentil e bondoso com seu povo, a escutar suas necessidades e a ser um rei justo.

Porém, Roboão ignorou o conselho desses homens sábios e consultou os jovens conselheiros, que sugeriram uma resposta bastante dura. Ele preferiu escutar os jovens conselheiros, amigos de sua juventude, cujas palavras soavam mais doces aos seus ouvidos. E assim, Roboão decidiu seguir um caminho de rigidez e dureza.

As consequências da decisão imatura e arrogante de Roboão foram terríveis e imediatas no seu reino. Dez tribos, que formavam a porção do norte de Israel, se separaram de Roboão e formaram o Reino de Israel (ou Reino do Norte), sob a liderança de um novo rei, Jeroboão. Somente as tribos de Judá e Benjamim permaneceram fiéis a Roboão. Elas compunham o Reino do Sul, cuja capital era Jerusalém.

Roboão chegou a reunir o seu exército em Jerusalém para guerrear contra o Reino do Norte, mas Deus o proibiu de tentar reaver as dez tribos que se tornaram independentes com Jeroboão.

O governo de Roboão foi marcado por conflitos com Jeroboão e também com Sisague, rei do Egito, porque Roboão abandonara o caminho de Deus. O Reino do Sul, durante o seu reinado, teve outros problemas internos, mas Roboão reinou durante 17 anos sobre o Reino de Judá.

O pecado de Roboão

Considerando os textos bíblicos, na realidade, Roboão cometeu dois grandes pecados:

1. Arrogância e ganância - O primeiro pecado de Roboão foi seu orgulho e insensibilidade ao lidar com o pedido do povo de Israel para aliviar a carga tributária. Em vez de ouvir os conselhos dos anciãos sábios e experientes, ele preferiu seguir o conselho dos jovens, seus amigos de juventude. Eles o encorajaram a ser duro e ríspido contra o povo. Essa decisão revelou dureza de coração, falta de empatia e de cuidado com as necessidades de seu povo, resultando na revolta das 10 tribos do norte (2 Crônicas 10).

2. Infidelidade e desobediência a Deus - Roboão, nos três primeiros anos do seu reinado, seguiu ao Senhor (2 Crônicas 11:17). Porém, não foi constante na sua fé e no seu compromisso de cumprir a Palavra de Deus. Ele e o povo deixaram ao Senhor, por isso Deus também os deixou sem Sua proteção. Jerusalém foi invadida pelo rei egípcio, Sisaque, que saqueou todo o tesouro do rei e do Templo em Jerusalém.

Lições sobre a vida de Roboão

A história de Roboão nos ensina uma dura lição. Ela nos fala sobre a importância de buscar a Deus, a Sua sabedoria, e de ter um compromisso real com Ele. Roboão, além de não ter ouvido a sabedoria dos mais velhos, também deixou de cumprir os mandamentos de Deus, se afastando Dele. Isso lhe trouxe inúmeras consequências, inclusive a divisão do Reino e perdas materiais. Veja outras lições que podemos extrair da história de Roboão:

  • Importância de obedecer a Deus - a verdadeira sabedoria e prosperidade vêm quando seguimos os caminhos de Deus e obedecemos aos Seus mandamentos.
  • Sabedoria na tomada de decisões - buscar conselhos sábios, de pessoas idôneas e mais experientes, faz toa a diferença antes de tomar decisões importantes em nossas vidas.
  • Consequências da desobediência - nossas escolhas têm consequências, por isso, devemos permanecer fiéis a Deus para experimentar sua proteção e bênção em nossas vidas.
  • Servir com humildade e compaixão - é importante sermos sensíveis aos outros e servirmos com bondade e empatia, especialmente quando ocupamos posições de liderança.
Representação do rei Roboão ouvindo conselheiros idosos e jovens. Imagem gerada com IA
Representação do rei Roboão ouvindo conselheiros

Morte e sucessão de Roboão

Roboão faleceu aos 58 anos e seu filho Abias assumiu o trono de Judá. Sua história marca o fim de um período tumultuado da história de Israel e Judá. Apesar dos seus erros e conflitos, a história de Roboão continua a servir como alerta das consequências da desobediência e da importância da maturidade e humildade na liderança, ao lado de Deus.

Leia os Capítulos completos que mencionam a história de Roboão:

Também pode te interessar: